Executando verificação de segurança...
37

Como se destacar em qualquer processo seletivo que você participe

Postado originalmente no Dev na Gringa Substack.


Se você manda bem nas entrevistas técnicas mas no final rejeitado, esse artigo é pra você. Eu nunca fui a pessoa que sabe todas as respostas otimizadas em entrevistas de código. Porém, desde 2016, venho tido sucesso em processos seletivos mesmo quando há candidatos com mais experiência do que eu. Hoje, vou compartilhar o que eu fiz para conseguir isso.

Quando entrei na Brex, a entrevista que eu tive o melhor desempenho foi a comportamental.

E isso foi fundamental para que eu me destacasse no meio de outros candidatos.

E isso aconteceu antes também, em 2020. Eu tinha apenas 3 anos de experiência. Na primeira entrevista que fiz para empresas americanas.

Haviam muitos outros candidatos com mais bagagem técnica do que eu mesmo. Mas, novamente, fui escolhido devido a minha performance na entrevista comportamental.

Eu percebo que é um assunto que não discutimos muito no dia a dia.

Falamos sobre entrevistas técnicas como leetcode (algoritmos e estruturas de dados - DSA) ou de tecnologias específicas (React, Go, etc). Também discutimos system design (SD), com menos frequência.

Mas é raro discutir sobre a entrevista comportamental.

Por que isso acontece?

Eu acho que é uma etapa mal interpretada.

As pessoas podem achar que ela não é relevante para o seu trabalho. Pois não vai testar seus conhecimentos técnicos em nenhuma área.

Ou que ela não diz muito sobre o seu trabalho no dia a dia.

Além disso, é uma entrevista que não tem inputs e outputs definidos.

Em entrevistas técnicas, é mais fácil avaliar o desempenho de um candidato. Podemos olhar a velocidade, precisão e a corretude do código.

Mesmo em entrevistas de system design, ainda é possível avaliar o resultado final. Se foi possível discutir os tradeoffs, e se houve justificação apropriada para as escolhas.

Mas, na entrevista comportamental isso é muito mais abstrato.

No entanto, ela é uma das melhores oportunidades de você se destacar num processo. Justamente pela negligência que ocorre nessas etapas.

Se você falhar na entrevista comportamental, existem dois resultados:

  1. Você será rejeitado, caso não atenda as expectativas mínimas;
  2. Seu nível será reduzido. Exemplo: você fez o processo para ser sênior, mas recebeu uma oferta como júnior ou pleno.

Ambos são resultados indesejáveis.

Por que a entrevista comportamental é importante para a empresa?

Resposta curta: para a preservação da cultura da empresa.

Quando você está crescendo uma equipe, existem duas principais preocupações:

  1. Que elas tenham o caráter que se identifique com a cultura;
  2. Que tenham a capacidade de aprender as habilidades necessários para o trabalho.

Hire for character, trains for skill. Uma frase que é atribuída a Peter Schutz, ex-CEO e presidente da Porsche. Eu a ouvi em um curso que fazia parte de um onboarding que fiz em 2016. Foi algo que eu nunca me esqueci, e que me influencia até hoje.

Existe um problema ao contratar pessoas que não tenham o caráter que você está buscando.

É muito difícil identificar os problemas que elas trazem para o time.

Especialmente se isso se tornar um comportamento tóxico. Porque isso se espalha na empresa como se fosse um vírus.

Não é algo que nenhuma empresa quer passar.

Entrevistadores são, por princípio, averso a risco. É melhor evitar uma contratação ruim do que perder uma contratação boa.

Contratações ruins eventualmente envenenam a cultura de uma empresa.

Por que a entrevista comportamental é importante para o candidato?

Em todas as entrevistas que já fiz, teve ao menos uma etapa comportamental. Ao praticar pra ela, você está se preparando para todas as suas futuras entrevistas.

Muitas vezes, podem ser eliminatórias. Mesmo na primeira etapa, com o recrutador. Onde você já será avaliado nesse ponto.

Em empresas maiores, são usadas para determinar o seu nível. Isso é ainda mais relevante para cargos sênior+. As perguntas técnicas deixam de ser o principal fator. E como você lida com comunicação e liderança passam a ser mais importantes.

Na grande maioria das vezes, não é possível você falhar a entrevista comportamental e receber uma oferta.

Ela também permite que você conheça a empresa.

Que entenda se é um lugar que você quer trabalhar. Um local onde as pessoas se sentem psicologicamente seguras. Onde há crescimento profissional e pessoal.

Todos esses fatores são fundamentais - tanto para você, quanto para a empresa. A entrevista comportamental é onde buscamos as respostas para eles.

E ela acontece desde cedo, muitas vezes na primeira conversa com o recrutador.

Os três principais pontos da entrevista comportamental

Meu primeiro emprego, em 2016, foi na Rock Content. Uma plataforma de marketing de conteúdo. Trabalhei como desenvolvedor web lá.

Eu não tinha nenhuma experiência profissional com carteira assinada. Tinha apenas um estágio de seis meses, que fiz durante o ensino médio. Estava no primeiro mês da faculdade.

Porém, eu fiz a entrevista. E recebi a oferta no dia seguinte após a etapa final. Tinha sido aprovado para meu primeiro emprego CLT.

Estava no primeiro período da faculdade, então a minha habilidade técnica não era meu diferencial. Eu sabia que deveria fazer outra coisa para me destacar.

Então eu li sobre a empresa. Me identifiquei com seus valores. Tentei entender o que eles estavam buscando em um candidato.

E, em todas as etapas, tentei demonstrar três principais fatores:

  1. Paixão pela Engenharia de Software: demonstrando entusiasmo pelo que eu faço.
  2. Contribuição para o Sucesso da Empresa: mostre que você está alinhado com os objetivos da empresa.
  3. Cuidado com as Pessoas: reflita seu respeito e consideração pelos outros.

Esses são os principais pontos que você precisa demonstrar numa entrevista comportamental.

Tudo o que você falar precisa contribuir para algum desses itens.

Vamos fazer um exemplo prático e responder a pergunta "me conte sobre você".

Lucas respondendo a pergunta "Me conte sobre você" para um entrevistador que parece confuso.

Veja que nós respondemos a pergunta honestamente. Mas, não falamos nada sobre nenhum dos três pontos que as empresas querem ouvir.

Então, na cabeça do entrevistador, você não falou quase nada.

Veja como a próxima imagem passa um diálogo diferente:

Lucas respondendo a pergunta "Me conte sobre você", sendo intencional com sua resposta.

Ambas respostas são honestas, e dizem sobre você. Mas, a primeira não diz muito além do que você pode ver na sua página do LinkedIn. Ela não avança nenhum dos três pontos principais.

A segunda resposta mostra porque a empresa gostaria de te contratar. Porque você é um ótimo engenheiro, que vai trazer valor para a empresa. Algo além daquilo que está no seu currículo.

O objetivo é que você responda a pergunta honestamente, mas com propósito. Mostre para o entrevistador que você tem o que ele quer ouvir.

É tudo sobre ter uma conversa natural

Sim, entrevistas são estressantes. Você está sendo julgado e avaliado constantemente.

Mas, a etapa comportamental é a mais "natural" de todas as outras.

Duas pessoas, conversando sobre experiências passadas. Discutindo sucessos, falhas, aprendizados de maneira construtiva.

O melhor sinal que você está indo bem é que ela se parece como uma conversa entre amigos. Você fala, a pessoa te ouve ativamente. Ela faz novas perguntas. Você responde, e ambos aproveitam o tempo e a oportunidade de conhecer uma pessoa nova.

Engenharia de Software é uma disciplina surpreendentemente social. Especialmente em empresas grandes.

Muitas pessoas pensam que é um trabalho solitário, onde você programa sozinho no seu computador. Mas, isso não poderia estar mais longe da verdade.

É um trabalho naturalmente social. Estamos sempre nos comunicando, discutindo tecnologias, tradeoffs, regras de negócio. Fazemos mentorias, temos reuniões de 1:1, planejamentos, refinamentos. E raramente é algo que se faz sozinho.

No fim das contas, entrevistas comportamentais são sobre comunicação.

E comunicação não é sobre apenas o que você fala. Inclui os seus sinais corporais e qual a percepção que o entrevistador tem de você.

E, se houver a menor dúvida da integridade do candidato, entrevistadores vão sempre optar pelo lado seguro. E rejeitá-lo.

Por isso, honestidade é essencial. Mentiras são tóxicas, e aos poucos envenenam a empresa inteira.

Contratar uma pessoa nova é sempre arriscado. Por isso, se existe alguma chance de uma pessoa não estar sendo íntegra, ela será rejeitada. Pois, como entrevistadores, não queremos ser responsáveis por aceitar alguém que pode ser um risco para a empresa. É perigoso demais.

Além de honestidade, você precisa ser capaz de se comunicar bem. Isso não quer dizer que você deve ser uma pessoa extrovertida. E que deve gostar de estar com pessoas o tempo todo.

Mas, quando houver uma oportunidade, mesmo que seja uma vez por semana, faça o que puder para estar lá.

Abrace o ciclo de conhecer novas pessoas.

O ciclo de conhecer novas pessoas e melhorar suas habilidades de comunicação.

Se você conseguir fazer isso, terá dividendos enormes para toda a sua carreira.

Não existe segredo para se tornar um melhor comunicador.

Eu acredito que a melhor forma é simplesmente fazer mais vezes. Uma ideia similar de quanto estamos treinando um músculo.

Quanto mais vezes você fizer, mais rápido você irá evoluir.


Espero que você tenha gostado dessa edição da newsletter! Essa semana vamos completar 1 mês desde o primeiro post, e crescemos para 60 assinantes até então.

Estou aos poucos querendo construir uma comunidade aqui no Dev na Gringa. Um espaço seguro onde podemos discutir sobre nossas carreiras, ambições e tecnologias também.

Criei um servidor no Discord pra isso. Todos são bem-vindos! Por hora está um pouco vazio, mas espero que a gente consiga fazer uma comunidade sensacional para todos.

Semana passada, também tivemos a primeira mentoria para assinantes pagos. Discutimos negociações de salários e técnicas para conseguir salários mais altos, de $100/h+. E sobre como se destacar na etapa de aplicar para uma vaga.

Se quiser me seguir nas redes sociais, aqui estão meus links:

  1. LinkedIn
  2. Twitter/X

Abraços e uma ótima semana pra todos!

6

Excelentes dicas, Lucas! Obrigado por compartilhar. Confesso que quando vi o titulo torci o nariz e pensei: here we go again (sim as vezes eu penso em inglês. chique), mas me surpreendi. Foi uma boa leitura e aprendi coisas novas. Gostei especialmente da parte da honestidade. Muita gente acha que consegue mentir e se sair bem, mas não é bem assim. Valeu!

5
2

Com o tempo eu percebi isso também, comunicação é um atributo que prevalece na carreira de um profissional.

Para o bem ou mal, um bom exemplo disso são os políticos...

1
1

Esse é um problema diferente 😅 mas costuma ser mais relacionado com o seu currículo e como se destacar perante outros candidatos nessa fase inicial. Vou tentar escrever sobre isso nas próximas semanas.

Mas, se vc quiser me mandar seu currículo, posso tentar te ajudar tb.

1
1

O principal ponto é que o seu currículo está excessivo em texto, e não mostra, nos primeiros 10 segundos de bater o olho, o que você sabe fazer e projetos que já implementou.

Um recrutador vai olhar por ele, não vai entender, e vai acabar descartando.

Quando você não tem experiência profissional significativa, você precisa mostrar que os seus projetos representam o que você sabe.

E, mostrar coisas que estão em produção, de preferência. Ou que levem a links de demos mostrando o que você fez - isso é melhor que apenas o repositório.

Segue o currículo de um amigo meu que conseguiu recentemente a primeira oportunidade dele: https://share.cleanshot.com/bWf316pr

Veja que, com pouquíssimo esforço, sei o que ele é capaz de fazer e as tecnologias que ele conhece.

Eu imagino que se você removesse por completo a primeira página, e deixasse apenas a segunda, já seria uma grande melhoria.

Mova a parte da Trybe para o final, e mencione apenas 2 ou 3 linhas. Resuma. Não inclua o link de cada curso.

Mantenha suas experiências profissionais anteriores. Se possível, entre em mais detalhes sobre a sua posição de dev web freelancer, pois é a mais relevante.

Espero que isso ajude! Se tiver algo mais específico, pode me falar. Abraços

1

Excelente, seu relato, Lucas. Eu ainda não entrei no mercado de trabalho, mas já fiz simulações de entrevistas em minha escola, e em um curso de informática básica. Eu fiz coisas parecidas que você falou, e o professor elogiu.

Entretanto, você conseguiu ir além, ao meu ver. Isso me fez refletir que devo poluir essa skill para o tão aguardado dia de ingressar pela a primeira vez no mercado.